PROPOSTA DE TECNOLOGIA ASSISTIVA PARA NOVAS PERSPECTIVAS DE ATENÇÃO ÀS ÚLCERAS DO PÉ DIABETICO

Felipe Soares Macedo, Mário Fabrício Fleury Rosa, Guilherme Henrique Rodrigues Vaz, Suélia de Siqueira Rodrigues Fleury Rosa

Resumo


Introdução: O diabetes melito (DM) é uma doença crônica não transmissível com elevado grau de relevância em todos os eixos de atenção à saúde, no entanto, os índices epidemiológicos mostram elevado índice de complicações, morbidade e mortalidade. Entre as complicações se destaca o pé diabético, considerado uma disfunção inicialmente tegumentar com potencial causador de limitações funcionais, culminando na amputação de dedos, pés ou até pernas. Neste contexto clínico e funcional, a engenharia associada a ciências aplicada à saúde, como a fisioterapia, podem contribuir com o desenvolvimento de tecnologias assistivas que podem contribuir com os tratamentos conservadores de sequelas decorrentes das úlceras em pés de pessoas com DM. Objetivo: Obter um modelo matemático da pressão plantar por meio de uma palmilha desenvolvida à base de látex (hevea brasiliensis), além de apresentar uma metodologia de avaliação da pessoa com diabetes sob a perspectiva das ciências aplicadas à saúde, como a fisioterapia associada a conceitos de engenharia para contribuir com o conhecimento sobre a pisada diabética associada Tecnologias Assistivas aplicadas ao usuário com diabetes melito. Materiais e Métodos: Foi realizada avaliação física e funcional com o participante do estudo. Além disso, foi confeccionada uma palmilha foi confeccionada uma palmilha com biomaterial a partir de um modelo matemático obtido por meio de dados coletados. Para isso, foi realizado pedographic analysis com equipamento Plataforma Emed n50 Novel e software Emed HMFT (© 2013 novel gmbh) e sensores de força FlexiForce®, modelo HT 201, do fabricante Tekscan. A análise dos primeiros dados demonstrou que a palmilha de látex produzido a partir de uma modelo matemática foi capaz de diminuir a pressão plantar no pé de um indivíduo com DM, podendo sugerir que esta Tecnologia Assistiva poderá contribuir com a prevenção de úlceras de pressão, sobretudo em região com maior percentual de acometimento.


Texto completo:

PDF

Referências


American Diabetes Association, 2016. Standards of medical care in diabetes-2016 abridged for primary care providers. Clin Diabetes, 34(1), pp.3–21.

Aguirre, L.A., 2007. Introdução à identificação de sistemas -técnicas lineares e não lineares aplicadas a sistemas: teoria e aplicação 4o Edição., Belo Horizonte: Editora UFMG.

Batista, F., 2010. Uma Abordagem Multidisciplinar Sobre Pé Diabético 1o Edição., Andreoli.

Bowker, John H; Pfeifer, M.A., 2007. Levin and O’Neal’s: the diabetic foot 7o Edição., Kansas City: Mosby. Disponível em:.

BRASIL, 2012. Resolução Nº 466, Brasil. Disponível em:< http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>.

BRASIL, 2009. Tecnologia Assistiva, Brasília.

Chadwick, P. et al., 2014. Best practice guidelines: wound management in diabetic foot ulcers, Available at: http://www.woundsinternational.com/clinical-guidelines/best-practice-guidelines-wound-management-in-diabetic-foot-ulcers.

Damir, A., 2011. Clinical assessment of diabetic foot patient. Journal International Medical Sciences Academy, 24(4), pp.199–203.

El-Hilaly, R., Elshazly, O. & Amer, A., 2013. The role of a total contact insole in diminishing foot pressures following partial first ray amputation in diabetic patients. Foot, 23(1), pp.6–10.

Formosa, C., Gatt, A. & Chockalingam, N., 2013. The importance of clinical biomechanical assessment of foot deformity and joint mobility in people living with type-2 diabetes within a primary care setting. Primary Care Diabetes, 7(1), pp.45–50. Disponível em: .

Galvão FIlho, T.A., 2009. A tecnologia assistiva: de que se trata? 1o Edição. M. N. MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, ed., Porto Alegre: Redes Editora.

Goske, S. et al., 2006. Reduction of plantar heel pressures: Insole design using finite element analysis. Journal of Biomechanics, 39(13), pp.2363–2370.

Herman, W. H. Pop-Busui, R. Braffett, B. H. Martin, C. L. Cleary, P. A. Albers, J. W. Feldman, E.L., 2012. Use of the Michigan Neuropathy Screening Instrument as a measure of distal symmetrical peripheral neuropathy in Type 1 diabetes: results from the Diabetes Control and Complications Trial/Epidemiology of Diabetes Interventions and Complications. , 76(October 2009), pp.211–220.

Kwon, O. Y. Tuttle, L. J. Johnson, J. E. Mueller, M.J., 2009. Muscle imbalance and reduced ankle joint motion in people with hammer toe deformity. Clin Biomech (Bristol, Avon), 24(8), pp.670–675.

Malindu, F. et al., 2013. Clinical biomechanics biomechanical characteristics of peripheral diabetic neuropathy : a systematic review and meta-analysis of fi ndings from the gait cycle , muscle activity and dynamic barefoot plantar pressure. JCLB, 28(8), pp.831–845. Available at: http://dx.doi.org/10.1016/j.clinbiomech.2013.08.004.

Martin, R.L., Hutt, D.M. & Wukich, D.K., 2009. Validity of the Foot and Ankle Ability Measure (FAAM) in Diabetes Mellitus. Foot & ankle international, 30(4), pp.297–302.

Mendes, J.J. & Neves, J., 2012. Diabetic foot infections: current diagnosis and treatment. The Journal of Diabetic Foot Complications, 4(2), pp.26–45.

Morbach, S. Mülle, E. Reike, H. Risse, A. Rümenapf, G.S.M., 2014. Diabetic foot syndrome. In German Diabetes Association: Clinical Practice Guidelines. pp. 416–424.

Mueller, M.J. et al., 2006. Efficacy and mechanism of orthotic devices to unload metatarsal heads in people with diabetes and a history of plantar ulcers. Physical therapy, 86(6), pp.833–842.

Pires, A.C. & Chacra, A.R., 2008. A evolução da insulinoterapia no diabetes melito tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, 52(2), pp.268–278. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S000427302008000200014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>.

Rake, H., 1980. Step response and frequency response methods. Automatica, 16(5), pp.519–526.

Rao, S., Saltzman, C.L. & Yack, H.J., 2010. Relationships between segmental foot mobility and plantar loading in individuals with and without diabetes and neuropathy. Gait and Posture, 31(2), pp.251–255.

Raspovic, A., 2013. Gait characteristics of people with diabetes-related peripheral neuropathy, with and without a history of ulceration. Gait and Posture, 38(4), pp.723–728.

Sociedade Brasileira de Diabetes, 2015. Diretrizes Sociedade Brasileira de Diabetes. AC Farmacêutica LTDA, p.348. Disponível em:.

Volmer-Thole, M. & Lobmann, R., 2016. Neuropathy and diabetic foot syndrome. International Journal of Molecular Sciences, 17(6), pp.1–11.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.